Profissional 4.0: Como se destacar em um mundo de transformações exponenciais?

Resumo (artigo atualizado em 2021) - Por causa de todas as transformações que o mercado vem enfrentando, é de suma importância que profissionais atentem para o desenvolvimento de habilidades necessárias para lidar com esse contexto.


Esse texto foi escrito para demonstrar, de forma consolidada, qual é esse conjunto de habilidades requeridas, para que os profissionais estejam preparados e possam se destacar no mercado, a fim de manter sua empregabilidade.


Introdução


O mercado ágil e digital, bem como a revolução tecnológica, exigem uma grande capacidade de adaptação das empresas e dos profissionais, justamente porque oferecem possibilidades de mudanças muito rápidas.


E quando falamos do profissional, é preciso lembrar que World Economic Forum apontou 2020 como um ano icônico para a virada de chave no mercado de trabalho, por conta dos impactos das mudanças tecnológicas e culturais.


Tanto que destacou, apoiado por publicações como as da Singularity University, as 10 Habilidades necessárias aos profissionais que irão atuar nesse contexto em que as organizações estão inseridas.


O ano chegou e, com a pandemia, muita coisa mudou ou teve que ser (muito) acelerada, antecipando grandes e profundas transformações no mercado, e consequentemente, nos perfis requeridos dos profissionais.


Assim, surgiram novas ou se ampliaram as habilidades que estarão em alta até 2025, como se vê no quadro evolutivo abaixo:

O mais interessante é que poucas dessas habilidades tem a ver diretamente com a tecnologia, mas sim com a forma como lidamos com ela e as pessoas!


Vemos que a solução de problemas ainda consta na lista, mas perdeu o posto para aspectos relacionados à inovação e aprendizagem, enfatizando a necessidade de se evoluir continuamente, tanto as pessoas, quanto os produtos.


Elementos como criatividade e pensamento crítico foram acrescentados de outros pontos, consolidando aqueles afins, bem como evoluindo conceitos, como a gestão passando a ter um foco maior em liderança, por exemplo.


Dentre esses pontos, podemos destacar uma gestão inovadora de pessoas, focando em conceitos de relacionamento, com uma liderança capaz de criar um ambiente de trabalho mais colaborativo.


Ter flexibilidade cognitiva também é importante, para que se use a criatividade e o raciocínio lógico para encontrar soluções inovadoras, que não serão encontradas por um simples benchmarking do mercado.


Importante ressaltar que essas e as demais habilidades necessárias para a evolução profissional estão ao alcance de qualquer pessoa! E são elas que irão permitir que se alcance resultados superiores!


Transformações e as pessoas


Tem-se falado cada vez mais sobre essas transformações que as organizações estão enfrentando e a necessidade destas se adaptarem às mudanças no contexto em que estão inseridas.


E, quando falamos da Transformação Digital ou da 4ª Revolução Industrial, necessariamente é preciso que se fale da Transformação Ágil. Isso por causa das mudanças no ambiente de trabalho e na forma de se relacionar com as pessoas.


Elas são a base, o meio e o objetivo de tudo! E um ambiente colaborativo, com autonomia e auto-responsabilidade, no qual encontrem a felicidade, pode proporcionar um desempenho superior.


Liderança e amor


Podemos falar, assim, sobre a energia que emana da liderança e o papel do líder (de acordo com o conceito de Lidergia, do Luís Fava), que foca na humanização necessária na relação com as pessoas.


Esse conceito tem como base a escala dos 17 níveis de emoções de David Hawkins, que se relacionam com a frequência das vibrações humanas. A coragem (agir pelo coração) é que permite romper a barreira onde o autoconhecimento prevalece.


É possível, ainda, se alcançar níveis mais altos, onde o amor surge e a consciência se torna expandida, até se alcançar a iluminação, enfatizando a importância da positividade e o que ela atrai em nossa vida.


Habilidades do Profissional 4.0


Nesse contexto apresentado até aqui, é possível se destacar as principais habilidades desse profissional exigido pelo mercado em meio à tantas transformações.


Mais do que um modelo ou um objetivo a ser alcançado, a figura abaixo representa um meio, um caminho pelo qual o profissional precisa percorrer na busca por sua evolução contínua.



Adaptação


É fundamental que os profissionais tenham uma capacidade de adaptação a essas transformações mencionadas, a fim de se diferenciar no mercado e manter a sua empregabilidade cada vez mais em alta.


Há uma grande confusão no mercado quando falamos sobre agilidade, pois muitos pensam logo em entregar um projeto antes, em métodos ou frameworks, ou que ela está ligada somente à TI.


É preciso entender, porém, que ser Ágil não é ser rápido, e que os métodos ágeis não são bala de prata. E que um Profissional 4.0 que quer se destacar no mercado, precisa conhecer vários métodos para compor o seu cinto de utilidades.


Os métodos são consequência e devem ser adotados de acordo com contexto do projeto e da organização, bem como se ter em mente que o mais importante pra esse mundo em que vivemos é o mindset adaptativo (isso é ser ágil).


Resiliência (vira Antifragilidade)


Acrescenta-se essa como a palavra do momento, justamente pela necessidade que devemos ter de se adaptar, bem como de saber lidar e superar os desafios do mundo atual!


Ser resiliente é, muito mais do que ser forte, ser capaz de resistir às adversidades e superá-las, alcançando maiores chances de vencer, de ser capaz de retornar a um estado melhor que a condição inicial, independente do que acontecer.


É a capacidade de lidar com os problemas, de sobreviver e superar momentos difíceis, e não ceder à pressão da situação, sendo uma característica essencial para o profissional 4.0, que precisa enfrentar todas as transformações atuais e futuras.


Como já dizia Charles Darwin, "não é o mais esperto ou inteligente que sobrevive, e sim, aquele que melhor se adapta". Lembre-se, quando falamos de agilidade estamos nos referindo, especificamente, à palavra adaptação.


"Não é o mais esperto ou inteligente que sobrevive, e sim, aquele que melhor se adapta"

E a antifragilidade surge para além da resiliência, pois mais que simplemente resistir às pressões, é ter a capacidade de voltar muito melhor e se aproveitar da oportunidade, removendo as fragilidades existentes e ganhando vantagem competitiva.


Comunicação


Uma das maiores dificuldades que enfrentamos no dia a dia das equipes é com relação à comunicação. Saber se comunicar com clareza é uma maestria que muitos não conseguem desenvolver.


Em times ágeis, tem-se a ideia de que unir fisicamente as pessoas pode melhorar o fluxo de comunicação. Porém, muitas das vezes, isso não funciona.


Isso porque, mesmo próximas, as pessoas continuam se comportando da mesma maneira, e não praticam a comunicação aberta. Principalmente, por conta de um mindset preso a formalismos sem sentido.


Portanto, algumas dicas podem ajudar a melhorar a sua comunicação e da equipe como um todo:

  • Seja claro e se assegure que a pessoa te entendeu

  • Desencoraje formalizações desnecessárias

  • Crie um ambiente de segurança psicológica

  • Use gestão à vista e quadros

  • Faça alinhamentos diários

  • Fale diretamente

Relacionamento pessoal


Fala-se tanto de humanização na gestão e nas empresas, mas o que nós estamos fazendo para humanizar as nossas relações?


E, como estamos falando tanto de pessoas, você sabe efetivamente se relacionar com elas? Essa é uma habilidade que cada vez mais está em alta, sendo essencial para obter sucesso no alcance dos seus resultados.


Isso significa se ajustar às pessoas e ambiente ao seu redor. É ter empatia para entender a dor do amigo, se colocando na perspectiva do outro e agindo de forma adequada.


É se preocupar, caso observe algum comportamento diferente e que não seja o normal da pessoa. E, principalmente, estabelecer uma rede de relacionamento ampla e de confiança, com a qual você possa contar, sempre que precisar.


Habilidades tecnológicas


Com o avanço da tecnologia com a Revolução Industrial 4.0 e a Transformação Digital, isso se torna um tema cada vez mais imprescindível para as pessoas e empresas.


Isso porquê, barreiras de comunicação ou limitações físicas são constantemente rompidas com as novas possibilidades que a tecnologia traz.


Principalmente, quando falamos do uso de IA e Robótica, que já estão revolucionando a forma como vivemos, trabalhamos e, até, nos relacionamos.


A interação homem-máquina já é uma realidade e precisa ser vista com normalidade, e devemos saber extrair ao máximo as oportunidades que isso nos traz.


É um mundo novo que surge com essas soluções, facilitando nossa vida e, inclusive, criando novas profissões, como temos visto na última década.


Mas é preciso lembrar que o Profissional 4.0 deve saber lidar com a tecnologia e não focar em atividades que são repetitivas, que não exigem criatividade e podem ser automatizadas.


E, sim, se especializar naquilo que só os humanos podem fazer, tarefas que exigem um pensamento crítico e o uso da emoção.


Colaboração e Alinhamento


Um ambiente colaborativo se constrói com base na confiança, ajuda mútua e segurança psicológica.


É premente a necessidade de se criar um ambiente seguro, onde as pessoas possam se expressar livremente, sem medo de serem rechaçadas. Isso considera, inclusive, ter um feedback aberto, positivo e constante com as pessoas.


Com isso, o trabalho colaborativo sempre é a melhor solução para os times. Será?


Falamos bastante sobre a colaboração e o quanto ela é importante para que as pessoas consigam trabalhar juntas. Todos podem estar super engajados, trabalhando em conjunto e produzindo muito em prol do time e da organização.


Você pode ter profissionais fantásticos na equipe, com o melhor dos espíritos de colaboração e, ainda assim, não conseguir alcançar os resultados.


De nada adianta se não tivermos um alinhamento sobre o que se pretender alcançar no final. É crucial que todos tenham a mesma visão, que saibam qual a direção seguir e onde querem chegar.


Dependendo da maturidade das pessoas e o quanto elas estão alinhadas ao negócio, é possível que a equipe chegue a esse consenso, sozinha! Talvez, pode ser que precise de alguém que os conduza nesse processo.


E não necessariamente o líder, mas alguém em uma posição de facilitador, como um SM ou Agile Coach. Não importa! O fato é que a colaboração precisa de alinhamento pra ser efetiva.


Múltiplas habilidades


Muitos aí já ouviram falar sobre o T-Shaped, aquele profissional generalista e que é também especialista em um assunto.


Mas, cada vez mais o mercado busca alguém que represente sua necessidade de ser multifacetado. Com isso, o Profissional 4.0 precisa ser um generalista com especialidade em VÁRIOS assuntos.


É disso que trata a Polimatia! É o tipo de profissional que precisamos cada vez mais nas empresas, e na sociedade em geral. É muito do que fala a agilidade e do perfil M-Shaped.


Ter abrangência, profundidade e também a capacidade de conectar os diversos conhecimentos, criando sinergia entre eles para que se alcance soluções inovadoras.



Mindset híbrido


As empresas já entenderam isso: que o sucesso vai além do hype dos métodos ágeis ou que não dá pra se manter engessado nos métodos tradicionais.


A velha dicotomia que tomou conta do mercado nos últimos anos começa a dar espaço a uma visão híbrida e agnóstica da gestão das iniciativas organizacionais (projetos, produtos, novos negócios).


Que foca muito mais no mindset ágil (ADAPTATIVO), e na capacidade de se usar diversas abordagens, sejam elas quais forem, de acordo com o contexto.


E os profissionais que quiserem se destacar precisam também entender essa necessidade e buscar uma gama ampla de conhecimentos, que irão compor o seu cinto de utilidades para lidar com diferentes conceitos e necessidades.


Além disso, é preciso considerar que:

  • Software está comendo o mundo - Todas as empresas serão assim no futuro

  • Agile é contínuo - assim como abraçar a mudança

  • Gerenciar benefícios - mudança no comportamento que direciona resultados

  • Criar uma comunicação em duas vias com o mercado - Comece com a escuta

  • Colaboração organizacional - Crie uma Cultura de aprendizado

  • Rápido derrubando o lento - Aberto a experimentar

Empatia


Muito se fala que devemos ser capazes de nos colocar no lugar dos outros. Empatia é justamente isso: ter a capacidade de sentir a conexão com outra pessoa.


Segundo a pesquisa de Theresa Wiseman, é uma atitude baseada em quatro características essenciais:

  • tomada de perspectiva - habilidade de enxergar na perspectiva dos outros

  • não julgar - não ter PRÉconceitos acerca das pessoas e situações

  • reconhecer emoções - identificar o que os outros estão sentindo

  • comunicação - ser capaz de comunicar isso de forma clara

É sentir da forma como o outro sente e não como nós gostaríamos de sentir. É, automaticamente, estabelecer uma conexão com o que o outro está sentindo a partir da identificação de sentimento análogo já vivido.


E, quando falamos de empatia nos negócios, nos referimos a sentir a dor do nosso cliente, a identificar qual o problema dele que queremos resolver.


Assim como saber colaborar e conectar com nossa equipe e as pessoas que dela fazem parte, entendendo como elas gostariam de receber um dado ou resultado de tal tarefa.


Aprendizado Contínuo


O profissional que deseja se destacar precisa investir em si mesmo um tempo proporcional ao que se pretende alcançar.


Porém, quando falamos de capital intelectual, isso requer anos de estudo para que se tenha um certo grau de conhecimento. E digo mais! É preciso viver em constante aprendizado, se reciclando e aprendendo coisas novas.


Esse é o conceito de Lifelong Learning, que significa um aprendizado que é perseguido durante a vida. Está relacionado a um aprendizado contínuo, mas também voluntário, flexível e auto-motivado.


É preciso buscar conhecimento em diversas fontes, ser um pouco auto-didata e aproveitar a quantidade imensa de informação que se tem disponível hoje em dia.


E esse aprendizado também deve ser escalável. Ou seja, cada vez que se aprende, percebe-se que tem mais a aprender, exponencialmente!


Conclusão


Existem diversas visões acerca do profissional necessário ao mundo atual, bem como das habilidades requeridas para enfrentar as transformações, como o próprio World Economic Forum apontou.


As 10 habilidades apontadas aqui não são as únicas necessárias mas refletem uma consolidação das visões existentes e do que os conceitos da Transformação ágil e digital, e também da Indústria 4.0 apontam como perfil profissional adequado.


Quais outras habilidades julga necessárias? E você, possui essas habilidades? O que está fazendo pra desenvolvê-las?


Não deixe de refletir a respeito, pois o futuro já está aí!


__________________________________________________________


Júnior Rodrigues é Diretor Executivo da Gespro Treinamento e Consultoria.


Apoia empresas e profissionais via consultoria, palestras e treinamentos para a transformação, a realização de uma mudança de cultura, geração de resultados e alcance de objetivos e metas.


Com +16 anos de experiência em Consultorias e Gestão de Projetos atuando nacional e internacionalmente. Graduado em Administração, Pós Graduado em Projetos de Rede, com MBA em Gerenciamento de Projetos e Mestrado em Administração.


Certificado em PMP, DALSM, ASM, PMO-CP, PACC, PALC, M30, CLF, CI-ASP, SFC, DEPC e ITIL V3.


www.gespro.com.br

Posts Recentes

© 2020 por Gespro  |  Termos de uso e Política de Privacidade  |  Rio de Janeiro - RJ  |  CNPJ: 33.519.510/0001-29

  • Whatsapp
  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Gespro
  • YouTube ícone social